Acompanhe abaixo nossa história

1971

4 de julho de 1971

1971

O Centro de Aprendizagem Metódica Profissionalizante de Mogi Guaçu teve sua fundação em 07 de abril de 1971, dentro dos moldes do Projeto “Patrulheirismo”, que foi idealizado pelo juiz da infância e juventude, Dr. Marino da Costa Terra, na cidade São Carlos, cujo objetivo era a prevenção da marginalização do adolescente, através de ações voltadas para educação, recreação e trabalho. A educação e a recreação eram orientadas por pessoas voluntárias, e o juizado ficava responsável pela autorização dos encaminhamentos dos jovens para o trabalho as firmas sócias colaboradoras mediante solicitação dos Pais ou Responsáveis que alegavam não ter condições de dar condições suprir financeiramente com a educação dos filhos, este procedimento era aceitável devido à legislação da época.

1974

13 de julho de 1974

1974

O projeto deu muito certo na cidade, algumas autoridades das cidades souberam dessa assertividade e levaram o modelo para ser executado em sua cidade, como foi o caso de Mogi Guaçu, que transformou a antiga guarda mirim vinculada à Secretaria de Promoção Social em Círculo de Amigos do Menino Patrulheiro (CAMP) de Mogi Guaçu.

1981

13 de julho de 1981

1981

Em 1981, o CAMP passou a integrar as mulheres em seu quadro de cursos, na época o presidente era o Sr. Walter Martins Franco e tinha como coordenadora Sra. Cassia Zamariola Murilo Lanzi desde 1977.

1990

13 de julho de 1990

1990

A década de 1990 foi marcada pela ascensão da representatividade do CAMP na sociedade guaçuana. O projeto de “patrulheirismo” se solidificou e muitas empresas abriram oportunidades para jovens começarem suas carreiras. Enquanto isso o time do CAMP, liderados pelo presidente Walter Martins Franco, e pela coordenadora Cássia Zamariola, juntamente com a pedagoga Cleusa Murilo e a assistente social Nadir Arruda, conduziram um trabalho que transformou a vida de muitos jovens.

2000

13 de julho de 2020

2000

Com o passar dos anos o CAMP de Mogi Guaçu, foi modificando sua atuação junto a clientela para adequar as exigências das leis pertinentes ao segmento a que pertence, ou seja, uma organização não governamental, que tem como objetivo a prevenção da vulnerabilidade social do jovem, utilizando-se como ferramenta a educação e a inserção do jovem no mundo do trabalho, e, portanto, teve que adequar-se as Leis do Estatuto da Criança e do Adolescente, a Legislação da Aprendizagem nº. 10097/00

2009

13 de julho de 2020

2009

A mudança na legislação de aprendizagem continuou a exigir esforços na transformação do CAMP, a Portaria 723/12 do M.T.E. (Ministério de Trabalho e Emprego) e a Legislação da Conselho Nacional de Assistência Social de 2009. As alterações significativas iniciaram pela designação de sua sigla para Centro de Aprendizagem Metódica Profissionalizante, pelos direitos trabalhistas do